09/01/2012

Década a Década: O surgimento do Rock

Como já anunciado hoje começamos com o nosso primeiro Década a Década, essa semana totalmente dedicado aos anos cinquenta também conhecidos como os anos dourados. Hoje falaremos de um novo estilo musical que começava a unir raças.

Os anos cinquenta são popularmente conhecidos como anos dourados, mas hoje vamos falar da sua gigantesca contribuição para a música, já que foi nessa gloriosa época que surgiu um estilo musical crú que acarreta milhões de seguidores até os dias atuais. O Rock'n Roll não surgiu do nada, e toda a expressividade negra que se perdeu ao longo dos anos é sua principal essência e o que encanta jovens do mundo todo quando entram em contato com esse tipo de música.


Antes da música beat chegar as paradas tivemos o jazz clássico como centro das atenções, as famosas Big Bands tinham um estilo refinado e muitos admiradores. Ídolos como Frank Sinatra  usavam suas adoráveis vozes para encantar uma platéia. A Swing Era antecedeu o Rock nos anos quarenta, e deixou muitos apreciadores do estilo injuriados pela troca do doce jazz para o ardente Rock.






Após tanto tempo tendo suas vozes abafadas por bombas e tiros, pela primeira vez o negro teve a oportunidade de expressar sua angustia com o melancólico blues, isso enquanto os brancos camponeses sulistas expressavam sua árdua vida pelo country. Raças separadas pelo racismo começaram a se unir para criar um estilo musical único que foi marca registrada dos anos cinquenta. Na transição de 1940 para 1950 estilos em sua maioria afro-americanos começaram a se fundir, com as guitarras surgiu o Rhythm and Blues que deu origem ao Rock.


Esse novo estilo musical que veio de um grito de liberdade começou a ter popularidade e unir as raças. O que antes era 'música de negro' virou cultura popular, o tradicional jazz era abafado pelos remeleixos de Elvis e a dança frenética de Little Richard, o gingado do Rock não tinha raça, um branco como Presley podia ter uma voz e uma presença de palco que antes era vista apenas como algo dos negros.






Garotas se arrumavam para poder balançar ao som de seus ídolos, crianças que sofreram as dores da guerra agora tinham crescido e gostavam da rebeldia, usando-a como forma de protestar por todo o sofrimento passado nos tempos de guerra. Já os negros que eram bombardeados pelo racismo começavam a protestar, e a música mostrou que não havia barreiras entre as diferentes pessoas que habitavam os E.U.A.


O Skiffle foi a forma de jovens britânicos desfavorecidos montarem sua banda com instrumentos menos tecnológicos e caros, precedente do Rock esse gênero conseguiu alavancar o sonho de algumas pessoas de terem sua banda. Talvez se não fosse por esse singelo gênero que tinha bandas com baixo-bacia e tábuas de lavar roupas não tivéssemos ganhado excelentes bandas como os Beatles.






A música que agitava os bailes da juventude dos anos cinquenta era cheio de brilhantina e rebeldia, os jovens queriam se divertir e assim lotavam pubs procurando uma vida mais tranquila. Cada pessoa que tinha a oportunidade de ouvir um solo de Chuck Berry tinha sua vida mudada e rondada de esperanças através da música. Há tempos atrás a indústria da música não era rondada pelo dinheiro e sim pela esperança de ter uma vida melhor.


Garotas se derretendo pela atitude de Elvis, essas que se produziam para dançar ao lado dos garotos de jaqueta de couro e cabelos lambuzados de brilhantina, Jerry Lee Lewis tocando com força majestosa e vocais habilidosos para embalar uma geração de jovens que posteriormente protestaram e marcaram época. Alguns odeiam o fato do tradicional Jazz ter sido ofuscado por rapazes pobres exarcados de drogas e uma vida perturbada, outros amam esse estilo que abriu passagem para tantos outros que vieram posteriormente, mas gostando ou não foi assim que aconteceu e os anos cinquenta jamais serão esquecidos.



2 comentários:

Gabriel disse...

Rock...
isso é tudo

Anônimo disse...

Nasceu no final dos anos 40.. morreu no final dos 70.. HAHAHA

Postar um comentário

Comentem livremente.
Comentar pode até não emagrecer, mas também não engorda!

Compartilhe