29/05/2012

Onde realmente existe felicidade...

Escreverei hoje um texto com maior teor pessoal, isso porquê tentarei discutir sobre o sentido da vida e aquilo que realmente vale a pena. Já que estudos comprovam que a felicidade humana vêm decaindo desde a década de cinquenta. Espero que gostem e postem o que pensam sobre esse interessante tema.

Nascer, estudar, crescer, trabalhar e morrer. Será que nossas vidas são tão insignificantes e se resumem a isso? Bem, desde pequenos somos condicionados a pensar dessa forma, tornando nossa passagem nesse mundo apenas mais uma parte da agenda do consumismo.


Ainda crianças somos matriculados em uma boa escola, para podermos ter acesso a uma boa faculdade que nos possibilitará um bom emprego e nos rendera dinheiro. Mas o que realmente ocorre é que depositamos no dinheiro toda a confiança de ter real felicidade, e acabamos sendo infelizes trancados em exaustivos empregos justamente por isso, basicamente ficamos infelizes por buscar a felicidade.


O sistema diz que você é obrigado a estudar, e escolher um emprego. Selecionar uma faculdade, como a de direito (meu caso) que te colocará em meio a uma multidão de pessoas que têm vidas insignificantes. Você vai ser apenas mais um monótomo trabalhador, que vive em condições deprimentes na busca pelo dinheiro, se esforçando tanto para estar num bom emprego que muitas vezes acaba esquecendo da real felicidade.




Desvalorizamos os prazeres da vida, deixamos de sentir aquilo que é bom pensando no futuro. Aquilo que está por vir não merecia receber tanta importância, deveríamos viver pensando no agora, aproveitando cada mínimo prazer que pode ser obtido. Meus objetivos não são crescer e me matar de trabalhar para fazer parte de uma estúpida burguesia, pretendo apenas captar cada traço de felicidade possível.


É difícil abdicar de todas as funções que uma sociedade capitalista impõe a você, mas é errado ter uma vida infeliz, para poder manter status, colaborando com um sistema falho, cheio de transtornos. A decisão correta seria largar tudo, aprender apenas o necessário, e viver com aquilo que realmente faz a diferença.


Logo no início do filme Trainspotting somos apresentados aos dilemas do viciado Mark. Pois quando decidimos viver, temos que escolher um emprego, uma carreira, uma família, comprar um cachorro e assistir deprimentes programas de televisão aos domingos. Mas quando optamos pela busca do prazer, todas as coisas acima são descartadas, e vivemos pela busca da próxima injeção de felicidade que será dada.





A maioria de nós escolhe viver, mas esquece que um viciado é apenas um viciado porquê ele têm prazer em tudo o quê faz, já que todos os problemas desaparecem quando estão sob o efeito de entorpecentes. Não estou dizendo que a solução para os problemas seria ficar viciado em heroína ou algo do tipo, mas sim viver pelos prazeres e ao invés de escolher a infelicidade, optar pelas coisas que te fazem bem, como na Dieta de Epicuro, onde a alegria é alcançada com as pequenas coisas.


Quando fumo maconha não me preocupo se isso acarretará problemas no pulmão ou se ficarei débil, já que a cada novo kunk meu cérebro é bombardeado por novas idéias, além de uma sensação única de felicidade e relaxamento. Meu sonho nunca foi viver por milhares de anos, desde que os poucos vividos sejam intensos, não quero durar para sempre na infelicidade, quero apenas ter uma vida curta e repleta de momentos bons, já que o meu plano é viver rápido e morrer jovem.





É deprimente pensar que no futuro terei que ficar trancada num escritório, esperando o dia de trabalho acabar, para poder pegar um mísero salário do qual nem terei tempo de gastar. Por isso digo não a uma faculdade, meu sonho é plantar minhas coisas e consumi-lás despreocupada, sem me preocupar com o sapato da moda ou se o dinheiro está acabando. Quero viver pelos prazeres pelo tempo que for necessário, mandando um FODA-SE para religião e um FODA-SE para o sistema. Já cansei de ver pessoas usando Deus como desculpa para viverem na merda, esperando que as coisas um dia melhorem, pois se Ele realmente existe, vai querer que alcancemos a felicidade, independente dos meios usados.


Meu objetivo de vida é descobrir os gostos das cores, fugindo de um Bad Trip e me concentrando na busca por boas viagens. Pretendo curtir as coisas de forma frenética, ficando estasiada numa grande festa e voltando para casa presa numa interessante viagem. Não preciso de um lar fixo, quero ser uma viajante, sempre descobrindo novos lugares para ficar. Pretendo me aventurar pela sexualidade, sem preconceitos ou medos já que o máximo que pode ocorrer é a morte, algo que não me assusta em frente a uma vida intensa.


Tenho pena dos seres infelizes que não podem descobrir o real sentido da vida, batalham pelo dinheiro e não o aproveitam devidamente. Esses deveriam buscar a felicidade, e quanto maior ela fosse melhor isso seria. Pois me dá aflição de pensar que talvez um dia eu faça parte dessa massa controlada que não têm perspectiva de vida, fica escrava do consumismo e tudo aquilo que a mídia dita.




Infelizmente para eu viver os meus paraísos artificiais tenho que ser financiada pelos burgueses que tanto desprezo, já que não terei acesso ao paraíso sem o auxilio financeiro de alguns. Mas mesmo assim dou um jeito, não preciso de roupas de marca, apenas de um sorriso no rosto e a vontade de encontrar a felicidade nos mais distintos lugares.


Vou tentando esquecer dos problemas, andando de long por uma ladeira ou atravessando de slack uma rua inteira. Sem pensar muito no futuro, pois quero ser diferente e fazer diferença, pretendo ser lembrada pelas gerações que virão. Não vou contribuir com esse emburrecedor sistema, vou fumar minha erva e ficar distante desses problemas criados pela nossas próprias cabeças.


Mergulho nos prazeres artificiais ou os naturais, tornando eles parte da minha rotina. Não quero ser mais uma funcionária inquieta e entediada, me dedico a conhecer o mundo e me aventurar pelas estradas. Quero ser levada para os melhores lugares do mundo, com Dirty Heads marcando a batida dos meus sonhos, sem ter que viver como tantos outros que já morreram e foram esquecidos ao longo dos anos. Não preciso de muitos artifícios para encarar o real modo do qual usarei para encontrar a felicidade.



10 comentários:

Stephanie Holopainen disse... Responder Comentário

Que adorável! Você pensa igualzinho a mim! (Ainda que erva eu não fume). É uma das poucas pessoas que consegue respirar fundo e dizer: Emprego, estudo, carro, casa e cachorro NÃO SÃO O QUE HÁ DE MAIS IMPORTANTE POR AQUI. Infelizmente, a maioria não consegue nem mesmo pensar dessa forma.
Eu vivo minha vida de uma maneira um pouco diferente. Ainda tenho que cumprir com as exigências da sociedade, mas coloco muito do meu próprio mundo no meu dia a dia, muito do que eu amo, do que me faz feliz e que realmente importa. Aos olhos dos desconhecidos, isso faz de mim uma alienada, ou uma amalucada. Aos olhos dos amigos e familiares, isso faz de mim um personagem de livro de histórias. Tudo o que eu sei, é que sou mais feliz que MUITA gente. Infelizmente.

Belo post. =)

Anônimo disse... Responder Comentário

Que pena que sua felicidade depende de uma plantinha...

Anônimo disse... Responder Comentário

"Tenho pena dos seres infelizes que não podem descobrir o real sentido da vida"

Como isso pode ser o real sentido da vida se a pessoa que vive na brisa da maconha não vive no próprio mundo real?
Prefiro batalhar, sofrer mas evoluir pessoalmente por mérito próprio,vencer obstaculos e desafios, ter pequenos prazeres que são reais do que viver num mundo imaginário da droga que vai te matando aos poucos...
Alguns preferem morrer cedo mas viver intensamente com a droga, outros preferem viver a vida!
O mundo pode ser injusto, mas eu prefiro morrer velho, talvez não rico, mas consciente de que eu batalhei, dei o melhor de mim, busquei a verdadeira felicidade que só vale a pena quando é conquistada! (e não fumada)
Se somos seres racionais capazes de PENSAR e questionar, então por que viver uma vida sem sentido a base dessa pseudo-felicidade MOMENTANEA que a maconha traz? Prefiro seguir o caminho dos que não são covardes e enfrentam a vida sabendo que ela não é facil, mas ela deve ser vivida! Eu poderei falar que eu estudei, que eu lutei que eu tenho uma inteligencia e sabedoria que ninguem poderá tirar de mim... ao contrário dos que ficam no mundo das drogas e matam seus neuronios.
Minha felicidade não dependerá de uma plantinha! Eu prefiro conquistar a felicidade e saberei que eu a mereci e que ela é palpável, fruto de minha conquista!
Não existe fórmula para encontrá-la, mas não é vivendo num mundo irreal, na brisa de um entorpecente que a verdadeira felicidade e o sentido da vida se encontram.

O sentido da vida se encontra na própria vida!

Os pequenos momentos que trazem felicidade pra mim valem muito mais do que horas de brisa na maconha.
Lógico que terei que me submeter a esse sistema que o mundo impõe, mas eu não sou somente isso! Eu sou a pessoa que estuda, trabalha, tem hobbies, sai com verdadeiros amigos que são poucos mas verdadeiros, mas faz tudo isso com prazer! Lógico que a vida não é fácil, mas se fosse facil será que aprenderíamos algo? Será que evoluiriamos?
Se fosse facil ainda seriamos macacos que passariam o dia fumando um beck...
Minha intenção não foi ofender, mas fico triste e indignado quando pessoas acham que a maconha é a resposta pra todos os problemas.
Só acho que essas pessoas se realmente escolheram esse caminho e sabem dos malefícios, então na hora da morte ou no hospital não tem moral pra reclamar da dor! Na verdade não tem nem o direito de provocar a dor nas pessoas proximas que as veem sofrer.

Meu humilde conselho é: busquem a felicidade na vida e não na maconha. Os pequenos prazeres contribuem muito para a felicidade, e grandes momentos sempre aparecem para quem batalha por ela e cá entre nós... esses momentos fazem valer a vida! Fazem valer cada segundo de tristeza que a gente passa... e cada momento de tristeza é um aprendizado pra quem quer aprender. Isso não tem preço!

Palavras de um ex viciado em maconha :)

Akatsu disse... Responder Comentário

O texto começou bem(+o-) mas terminou de forma trágica. Apenas dizer que largaria tudo pra ir em busca da felicidade, não resolve. Se eu te convidasse, agora, não importando a distância, para nos encontrarmos. Você toparia? Estaria disposta a se aventurar, talvez pegar um ônibus e viajar o fim de semana inteiro, para se encontrar com um estranho que pode mudar a sua vida?

A reposta para essa pergunta, contribui uma pequena parcela sobre o que você escreveu. Nahh, não quero ficar = o carinha ali que tentou dar uma lição de vida com um comentário... se alguem quiser trocar umas ideias me add:

romullocarvalho@hotmail.com

Anônimo disse... Responder Comentário

Muito bom seu texto li inteiro tambem fumo um... faço psicologia te indicaria muitão esse curso

"O homem é bom por natureza. É a sociedade que o corrompe." Jean-Jacques Rousseau

Bom seus pensamentos são muito evoluidos, é muito bom filosofar, mas não adianta renunciar ao trabalho e viver como hippie, vc esta apenas tentando fugir do problema.

Quem duvida da vida tem culpa.
Quem evita a dúvida também tem.

G.C disse... Responder Comentário

Bem, acredito que atingi em partes o meu objetivo com esse texto que era fazer as pessoas pensarem, sem dar importância para as opiniões adversas.

Não acredito que a felicidade se baseie apenas nas drogas, e sim nas pequenas coisas que podem trazer a felicidade e fazer vc refletir. E é isso oq a maconha faz

Eu me aventuraria Romulo, iria sim conhecer um estranho para buscar o conceito de felicidade, mas o mundo está tão corrompido que o 'live fast and die young' teria que prevalecer.

Eu realmente tenho medo de fazer parte de uma sociedade hipócrita que é corrompida e vive na alienação, julgando o dinheiro como forma de alcançar a felicidade, acho isso idiotice, desperdiçar a vida buscando dinheiro realmente não é o meu objetivo. Quero viver pelas pequenas coisas, sem pensar em uma faculdade para engomados ou um emprego burguês, mas infelismente para viver assim vou necessitar de um impulso da burguesia.

Anônimo disse... Responder Comentário

Se todo mundo pensar e viver assim como voçê seria o caos total. O que mantém esse planetinha ainda inteiro são as pessoas que trabalham, e que não são tão egoístas pensando na própria felicidade, mas pensando em cumprir o dever honestamente.

Anônimo disse... Responder Comentário

Muito bom o comentário do primeiro anônimo.Parabéns, gostei muito! Uma das coisas que aprendi é que problemas existem para serem resolvidos, e isso só é possível se os enacararmos com coragem e determinação. Fugir é mais fácil, e me parece que no texto o que se pretende é evitar a qualquer custo (viagem) os problemas do cotidiano, da vida, viajando,mas se realmente se sente bem assim e não se arrepende de nada, então seja feliz do seu jeito!

Anônimo disse... Responder Comentário

Com estes comentários conseguimos ver como o ser humano cada dia mais se conforma com o que a sociedade impõe.
Você trabalha, estuda e morre inteligente.
Não acho que seja desnecessário, mas acho que o dinheiro não pode ser a fonte da vida.
Tanta coisa bacana que se perde em busca do dinheiro... o amor da família, porque você não tem tempo para isso.
Perde os amigos porque esse final de semana você vai passar enfiado nos livros porque é final de semestre...
A fonte da nossa alegria não pode ser confiada a alguma coisa. Deve depender de sentimentos.

Anônimo disse... Responder Comentário

bom texto! viva os paraísos artificiais!
quanto ao dono do terceiro comentário
recomendo que leia mais, se o que você aprende é seu e ninguém irá tirar ao menos tenha a capacidade de se aprofundar em um assunto antes de falar coisas erradas por ai.
maconha não mata neurônios, drogas são usadas por todos os povos em todos os lugares do globo e em todas as sociedades que se tem registro, a questão não é a substância em si, mas sim o que se faz com ela.
E acredite, alguns fizeram um uso tão bom que mudaram pequenos aspectos do mundo.

Postar um comentário

Comentem livremente.
Comentar pode até não emagrecer, mas também não engorda!

Compartilhe