14/05/2012

Seria mesmo um mundo globalizado?

Essa semana foi realmente interessante para a evolução das minhas idéias, lutando contra o ócio pude assistir uma imensa variedade de vídeos apontando defeitos no capitalismo e no pensamento das pessoas (assunto para outra postagem). Todo esse estudo me despertou uma vontade antiga, de fazer um texto sobre a tão famosa globalização, pois será que ela realmente existe? Espero que o texto promova discussões inteligentes, sobre o tema, e que tudo isso leve ao menos um indivíduo a questionar o andamento do mundo.

Desde jovens, aprendemos na escola sobre o tão famoso tema denominado globalização, esse assunto é recorrente nas matérias de geografia e história, se mostrando peça chave para aprendermos sobre nossa atual sociedade. O termo globalização designa á forma como países interagem e aproximam pessoas, ou seja, interligando o mundo, levando em consideração aspectos: econômicos, sociais e culturais. Mas será que atualmente existe mesmo uma globalização, ou apenas um imperialismo de uma elite dominante? 


Simplificando e resumindo o assunto, globalização seria a troca de cultura e informações entre os países, que juntamente com o avanço da tecnologia, começou a ocorrer no século XX. Com o auxilio dos meios de comunicação, diversos países entrariam em contacto com as mais diferentes culturas (todas influenciadas pelo capitalismo), compartilhando informações sobre os mais variados meios culturais. Onde todos os países se ''unificassem'' na hora de compartilhar  seus aspectos econômicos e culturais.




Infelizmente o termo globalização não é cabível na nossa sociedade atual, já que a maioria dos países que deveriam compartilhar sua cultura, apenas recebem influência dos desenvolvidos, com imenso destaque ao Estados Unidos. Se realmente houvesse globalização, não sofreríamos com a hegemonia norte-americana, tendo os costumes de uma pátria inteira sendo alterados conforme as regras do Tio Sam.


Se pararmos para pensar por alguns míseros instantes notaremos que desde nossas infâncias sofremos influência direta da cultura norte-americana, sendo que essa muitas vezes ofusca a cultura original de cada nacionalidade. Exemplo disso é que não escutamos músicas chilenas, mas sim as originárias da língua inglesa, em grande parte as estadunidenses.


A tecnologia, que deveria ser um dos meios de propagação da globalização, está quase que inteiramente nas mãos de gananciosos americanos patriotas, que não medem esforços na hora de faturar. Assim, ficamos a deriva das ordens desses porcos capitalistas, que manipulam a sociedade, fazendo a massa agir a benefício deles.


Magnatas norte-americanos não medem esforços na hora de roubar matéria-prima de países subdesenvolvidos, assim gananciosos abusam de trabalhadores desesperados para fortalecer uma economia que já é grandiosa. Recursos naturais são esgotados, trabalhadores sofrem abusos porquê homens ricos procuram mão-de-obra barata, rios e mares são poluídos, tudo isso num maravilhoso mundo globalizado onde as diferenças deveriam ser minimizadas e as nações se auxiliarem.




Antes da crise de 1929 foi desenvolvido o american way of life (ou estilo de vida americano), onde foi estabelecido um padrão de vida consumista, feito para movimentar a economia dos estadunidenses, esse padrão foi seguido pelas mais diversas nações que viam no consumo uma forma de encontrar a felicidade. Importante analisarmos que ao mesmo tempo que nascia o american way of life, chegava uma onda de consumismo, acompanhada com os primórdios do que se tornaria a nossa falsa globalização.


Interessante notar que com a criação do american way of life, consumíamos apenas produtos norte-americanos, fortalecendo a economia do Tio Sam. Raramente vemos alguém comprando roupas de marcas alemãs, mas muitos ficam prestes a vendar a alma por uma roupa da Hollister. A globalização ocorre, mas num ritmo muito menos do que deveria, pois mesmo tendo acesso a informações dos mais variados continentes, temos gravados em nossas jovens mentes que o que vem da America é mais importante. 


Após o capitalismo vencer o comunismo, tivemos acesso a dados dos países do Leste Europeu, mas mesmo assim ignoramos a cultura deles, acessando vagamente aquilo que eles nos têm a oferecer. Outro exemplo são os filmes, que apesar de termos o cinema Europeu como um dos mais exímios, nos contentamos com o lixo americano feito para nos deixar alienados.






Culturalmente vivemos influenciados pelos E.U.A, vivendo com o consumismo sendo implantando nas pessoas desde jovens, ou consumindo apenas o que o mercado americano têm a nos oferecer. Comemos no Burger King, temos um tênis Nike (ou Vans se você for mainstream), andamos de Skate e falamos ''deletar''. Têm como vivermos mais americanizados do quê isso? Quando alguém escutar música russa, sendo cantada em russo (não vale T.a.T.u) o mundo vai ser globalizado, mas enquanto ficarmos obesos ao comermos Mac Donald's permaneceremos na merda, vivendo sobre a hegemonia dos porcos.


Socialmente falando, nos manifestamos seguindo os padrões estadunidenses. Prova disso é que quando estudamos história, particularmente movimentos de contra-cultura, o maior de todos seria o movimento hippie que é americano. Nosso jeito de agir é fortemente influenciado pelo Tio Sam FDP, buscamos relacionamentos que imitem filmes hollywoodianos, falamos gírias americanas (se fosse globalizado nossas gírias poderiam ser derivadas da Uganda), consumimos como porcos alienados (na verdade somos isso), e assistimos programas influenciados pelos dos americanos (boa parte dos programas que passam na Globo são cópias de programas do exterior).


Economicamente também somos dominados pelos Estados Unidos (sei que estou sendo  repetitiva), já que gastamos todo nosso salário suado com produtos estadunidenses (todos derivados do sofrimento de países desfavorecidos), temos os ianques como economia dominante, e temos que observar eles ferrando com o mundo.




Não existe total globalização, por favor acordem, entendo o quão difícil é quebrar nossa zona de conforto e enxergar a realidade, porém também vejo como desesperador a alienação que as massas estão submetidas.  Aceitamos pacificamente um termo totalmente inviável, pois apesar de termos acesso a notícias (por meio da tecnologia fornecida pelos E.U.A) e informação, sempre vivemos a deriva da cultura dos Estados Unidos, pois eles nos dominam indiretamente (vide Ditadura Militar, quando eles derrubaram João Goulart para continuarem faturando em cima de retardados).


O sistema é realmente complicado, as coisas estão desordenadas. Após a morte do socialismo (que nunca foi aplicado corretamente), ficamos vivendo sobre o domínio dos Estados Unidos, povo esse que possui poder sobre nossas terras, cultura, e tecnologia. Eles podem dominar tranquilamente as mais variadas nações, principalmente as menos favorecidas que eles abusam sem dó.


Sempre falo das massas que são influenciadas arduamente, bem, os Estados Unidos seria o topo dessa cadeia, os magnatas e grandes investidores manipulam a mídia numa escala gigantesca e mantém a população mundial alienada para que não haja protestos. Quem se opõe ao governo ianque é derrubado sem dó, tendo relações cortadas com o país mais foda e ficando sem o acesso a tecnologia (exemplo de Cuba). 


Se realmente existisse uma globalização, não veríamos tantos países a mercê dessa cultura dominante, consumindo apenas aquilo que lhes é comodo. Não teríamos apenas produtos provenientes do mercado americano, e valorizaríamos mais outros países. Nossas ideologias não seriam provenientes daquilo que governantes corruptos desejam e saberíamos pensar e questionar. Enquanto isso, nos contentamos com uma utopia de um mundo melhor, fingindo que tudo está ocorrendo perfeitamente, e aceitando que chineses sofram com a exploração do Tio Sam. Peço que vocês fujam desse mundo de alienação e pensem um pouco, questionem se nesse atual mundo limitado pela Apple ou Abercrombie existe mesmo uma globalização, assim você poderá visualizar nossa decadente realidade.



12 comentários:

Mundico disse... Responder Comentário

Apenas anti-americanismo infantil e boboca, aprendido em escolas públicas por professores doutrinados pela esquerda.

Anônimo disse... Responder Comentário

Só uma correção: o chamado "american way of life" só foi criado no século 20 com a crise de 1929 e não no século 18 como dito acima. No final do século 18, os hoje chamados EUA estavam ainda lutando pela sua independência. O capitalismo ainda não existia formalmente já que nem a Revolução Industrial havia se expandido pelo mundo. Não dê muito crédito às informações do Wikipedia ou algo do tipo. Utilize fontes mais confiáveis e científicas para embasar seus textos e para dar-lhes mais credibilidade.

No mais, concordo que não haja uma globalização na essência do termo, mas sim uma globalização da cultura e vontades dos países desenvolvidos e dominantes, principalmente os EUA.

Anônimo disse... Responder Comentário

HAUHAUHAUHAUHAU... exatamente oq eu penso dito no comentário!

G.C disse... Responder Comentário

@Anônimo Obrigada pela correção, foi válida e o post já foi concertado.

Mas corrigindo vc, o american way of life surgiu antes da crise de 1929, onde norte-americanos gastavam desenfreadamente e investiam sem precaução.

Anônimo disse... Responder Comentário

E AINDA QUEREM PAGA DE NEOLIBERALISTAS INDO ATRAZ DE PAISES MENOS DESENVOLVIDOS E PEGANDO SEUS RECURSOS NATURAIS COMO ELE FIZERAM NA SOMALIA DERRUBARAM O GOVERNO PARA PEGARAM PRETROLEO BARATO E USAM O OCEANO COMO DEPOSITO DE LIXO NUCLEAR

Anônimo disse... Responder Comentário

Desculpa mas eu vou discordar do Anônimo 1 quando condiciona o capitalismo à Revolução Industrial, ele deve se lembrar que a Companhia das Indias Ocidentais, formada principalmente por judeus holandeses foi a primeira experiência bem sucedida de globalização capitalista, portanto, anterior à RI. Curiosidade: esses mesmos que fundaram em Pernambuco a primeria sinagoga das Américas, também depois de zarparem do Brasil fundaram a Nova Holanda, atual Nova Iorque.

Anônimo disse... Responder Comentário

Já fui anti-americano, mas cheguei a conclusão que se os americanos não estivessem dominando o planeta poderíamos estar sob o jugo de soviéticos borrachões, ou árabes loucos por guerras, ou chineses desumanos, ou indianos racistas, ou latinos corruptos, ou alemães racistas, ...

Os EUA sempre foram como grandes mães para muitos paízes, até para os japoneses que foram os últimos a se render após a IIWW e auxiliaram muito na reconstrução do Japão que só é potÊncia por causa dos americanos. Reconstruiram toda a Europa destruída pela guerra.

Outro país no controle mundial já teria invadido toda a América do Sul e feito guerra com todo o resto do mundo, vejam os países árabes, muitos são menores que o Rio Grande do Sul e vivem em guerra contra seus vizinhos, imaginem no domínio de tudo. E os chineses, então, que se admiraram tanto com um brasileiro que agiu segundo os preceitos cristãos de ajudar o próximo que o elegeram herói e ficou muito famoso em toda a China porque ajudar o próximo lá é muito difícil, ninguém ajuda o outro lá.

Imaginem a bagunça que seria se o Brasil desempenhasse o papel dos EUA, bandido não seria preso, juízes corruptos, deputados representando somente seus bolsos, hospitais aos pedaços, presidiários soltos p passar festas em casa, diretor da Fifa roubando medalha, Dolar nas cuecas seria normal, ...

Tenho muitas boas lembranças da cultura americana em minha infância: super-heróis, Looney-Tunes, ET, filmes, revistinhas Tio Patinhas,...

Kidjapa disse... Responder Comentário

[off topic]

Só comentando, que uma pessoal de carater cultural (ou seja, que sabe de alguma coisa a não ser somente dos Obamas) não vê TV aberta, que não seja somente o jornal do almoço, ou o jornal nacional para se atualizar no que está acontecendo aqui. Essa pessoa vê TV fechada, canais como Nageo, Discovery Channel, Animal Planet, HBO, History Channel, entre muitos outros canais, de documentarios, ou series, que na maioria não são sempre americanas. Alienado é o infeliz que fica o dia todo assistindo tv aberta e acha que sabe alguma coisa do mundo, mas se for perguntar o infeliz não sabe nem por que a 2ª guerra começou.
E acredito, muito mesmo, que a TV aberta "enburrece" o povo, onde não vejo um documentario se quer, e quando vejo, seriam no fantastico, que sempre pegam documentarios da nageo ou do discovery channel, e os remontam, ou adequam para a sociedade que veem esses programas.
Não acho que estou falando besteira, esses dias na praia, como la não possuo tv fechada, fiquei na varanda fumando um cigarro e vendo o que minha namorada estava olhando na tv, quando fui olhar, era um programa que não me lembro do canal, mas que tinha como um bloco do programa, chamar uns participantes que melhor imitassem o neymar. PORRA BRASIL!

Quando é que brasileiro, vai criar um senso cientifico, o mundo inteiro possui isso (paises desenvolvido (como assim são chamados)), temos terras para dar e vender ao extremo, e mesmo assim, vendemos laranja a preço de banana (modo de dizer) e compramos suco de laranja 300x mais caros do se fabricássemos eles aqui.
Não estou dizendo que toda pessoa que vê tv aberta é burro, mas a massa (desculpe o termo) favelada da sociedade, vendo tv aberta, não iram evoluir em merda alguma vendo aquilo. E nem com esses programas culturais, que eles impoem depois de uma ocupação de determinada favela. Tinham de fazer eles aprenderem, estudarem, desenvolverem alguma coisa de util para a sociedade, de que adianta dizer que existem talentos naturais, se esses talentos naturais nunca iram sair da favela. Eu duvido.

Sergio disse... Responder Comentário

O autor do longuissimo texto, é mais um boboca anticapitalista. então qual é a sua solução?

Kidjapa disse... Responder Comentário

@Kidjapa

E se sair, da favela, provavelmente irá voltar.

Kidjapa disse... Responder Comentário

@Sergio

Sergio, minha solução é fazer minha parte, eu estou fazendo faculdade de Psicologia, e tendo desenvolver novos métodos, ou pretendo pelo menos no futuro, e aplicar esses meus estudos, o que vejo muito, são infelizes entrando na faculdade só e somente para ganhar dinheiro no final dela, não se importando em desenvolver nada, como se os caras que desenvolvem o que você usa para estudar fossem viver eternamente estudando novas técnicas, ou métodos científicos. Eu não faço diferença, mas acredito que se todos tivessem uma mente de carater mais cientifico, o brasil seria um pais bem melhor para se viver.

Kidjapa disse... Responder Comentário

E sim, musica é uma ciencia, que nem a psicologia ainda conseguiu identificar com clareza, ou que obtenha dados que sejam verdadeiramente aceitos.

Postar um comentário

Comentem livremente.
Comentar pode até não emagrecer, mas também não engorda!

Compartilhe