14/06/2012

Lembranças musicais bregas de uma agradável época

Como sou uma blogueira diferenciada, não quero perder o Sol que está lá fora, por isso redigi um pequeno texto falando sobre como é bom lembrar da pré-adolescência, que muitas vezes é traumática, mas forma nossa essencia. Espero que gostem, depois faço algo mais bem preparado.

Sabe aquela sensação estranha, quando pegamos um iPod antigo, e as mais saborosas lembranças retornam a mente? Aquelas canções vergonhosas que você cantava como hino quando era uma pequena pessoa em formação.


Recorda de remotos tempos, sente toda aquela nostalgia, pensa nas suas estupidezes de infância, enquanto cada acorde faz com que você retorne as tão velhas lembranças. Atualmente você escuta músicas boas recheadas de ideologias, mas quando usava aquele antiquado aparelho era o Jesse McCartney que você ouvia.



O piegas era foda, cabeça fraca agia de acordo com as modas. Quem já não foi skatista ao som de Avril Lavingne? Atualmente ando de long, e esqueço-me dessas minhas deprimentes raízes. Até curtia ser rebelde com um pouco de Simple Plan, e falar Shut Up para minha mãe como se fosse a coisa mais feia do mundo.



Parece até hipocrisia, uma pessoa que luta arduamente contra a cultura pop, a anos atrás parte dela fazia. Curto meus Beatles e Rolling Stones, mas sei que antes disso teve um Aaron que eu lutei para pronunciar corretamente o nome, ninguém nasce perfeito, antes de Rancid foi um Green Day que fez eu repensar os meus grandes feitos.



Não é só vergonha ou espanto o que sinto quando recordo do passado, pois o que predomina é a saudade da inocência que sempre me fez sorrir. Nessa época o mundo era perfeito, nunca pensei que seria ativista, ou algo do tipo. Gostava sim de cantarolar Spice Girls, mas nada se comparava ao Blink, pois quando você não vê problemas, ideologias não fazem sentido.



Mas com o tempo você vai crescendo e aprendendo, seu pai comenta de um Sex Pistols que faz você caminhar até NOFX e as coisas melhoram, sua mente explora o mundo lá fora, automaticamente você crítica aquele político que te explora. Parece um amadurecimento natural, é complicado fingir que você não sente falta daquela batida frenética, ou escutar aquilo que simplesmente faz você sorrir.
 Parece vergonhosa a ideia de admitir que o que você é hoje, foi formado pelos tão avacalhados ídolos pop da geração passada. Mas é a verdade, eles cresceram junto com você, mesmo sendo produtos de uma mídia alienada, eles formara a ponte que te salvou das ideias erradas.



Tanto que o tema aqui não é só música, estou falando da felicidade, da inocência e incoerência de seus atos. Pode até parecer errado, mas escuto Forfun até hoje de fato. Pois mesmo sendo estupidez, lembrar-se daquelas corridas sem sentido, embaladas num hit do momento despertam um doce sorriso. É o seu passado que volta com maestria, saudade das coisas descompromissadas que você fazia.

 Não escuto música ‘’decente’’ atualmente por obrigação, mas sim por que todo um conjunto desperta minha atenção. É deprimente ficar dependente do placebo para as massas, mas não vejo problema algum, desde que isso lhe satisfaça. Infelizmente as minhas canções ‘’indecentes’’ estão incondizentes com minhas ideologias, mas não posso apagar o fato de que elas formaram meu ponto de partida.
  
Vou viajando na utopia de um mundo perfeito, onde música seja apenas boa arte e para ser apreciada que fique nos holofotes o que têm talento. Todos nós já fomos manipulados pela mídia, nunca gostei de Britney Spears como naquela época dizia, apenas para acumular novas amigas.


É bom lembrar-se do passado, talvez ele não possa entrar no presente, mas é o grande formador da mente. Não quero revivenciar às antigas experiências, vou apenas escutando sons antigos para viajar com prudência. Muitas das minhas opiniões caíram na obsolescência, mas ninguém nasce escutando Beatles, e agradeço por um CPM22 ter sido tão amigo.


Gosto das minhas músicas ‘’bregas’’, pois estas me lembram de épocas boas. Queria voltar no tempo, sem necessitar ter nada no pensamento, curtindo cada novo momento, pois ainda dá tempo. Sinto saudades de poder curtir com os amigos, mergulhar nos mais tolos romances, ter a inocência em mãos, vivendo pela felicidade e me atirando a cada nova história. Acho que essas músicas piegas são boas, pois narraram minhas glórias.




6 comentários:

Kel Mendes disse... Responder Comentário

Nossa, esse texto foi pra mim.
Época boa...
Gostei muito, parabéns! =)

Anônimo disse... Responder Comentário

Minha primeira namorada fazia eu escutar West life

que veeergonha que tenho de lembrar disso kkk

Anônimo disse... Responder Comentário

Amanhã tu vai ter vergonha do que escuta hoje e não diga que isso não é verdade. Nossa vida não acompanha a música, a música é que acompanha nossa vida, e cada novo momento precisa de uma nova música. Considerando que ainda temos uns bons anos à frente, nossas idéias sobre música ainda vão mudar, e para o presente momento nosso passado sempre será errado.

Giovanna Carneiro disse... Responder Comentário

@Anônimo Concordo com vc anônimo, pois a cada instante estamos evoluindo, antes tinha orgulho da Avril Lavigne, mas hj estou maior intelectualmente e meu cérebro exige novas coisas que amanhã terei vergonha, mas que arrecadaram boas lembranças.

InfernusH disse... Responder Comentário

Avril Brega? DAFUQ?!

CaioCobianchi disse... Responder Comentário

Ainda curto Avril Lavigne, é melhor que muito pop por aí viu? - não é pq vc parou de gostar que virou ruim, cada um tem um gosto diferente e muita gente ainda gosta do que ta aí!!

Postar um comentário

Comentem livremente.
Comentar pode até não emagrecer, mas também não engorda!

Compartilhe