02/06/2012

Viagem a Terra do Nunca...

Convivo diariamente com meu medo de crescer, aflição de pensar na possibilidade de me tornar apenas mais uma nesse mundo, todas essas neuras já foram exemplificadas nos textos Tempo de Crescer e Onde Realmente Existe a Felicidade. Por isso quero viver na Terra do nunca, descrita pelo Danilo do Forfun e me afastar dos tão tenebrosos problemas criados pelo sistema e que corrompem nossa sociedade.

Quando se é criança as dores de cabeça são pequenas, suas maiores aflições são ir para escola e fazer pequenos amigos que ainda não te julgam. Mas os tempos vão passando e a sociedade começa a empurrar conceitos que você é obrigado a seguir para não ser considerado um lunático, pois num mundo de loucos, aquele que não segue a massa alienada é que está errado.

De repente a hipocrisia e a falsidade tomam conta da sua vida, você têm como ideais a conquista do dinheiro e do poder, sacrificando a felicidade pela ganância, trocando aquela sua decida de long pelas preocupações de um adulto. As coisas não são tão belas, quando você cresce, já que apenas o verde do dinheiro que te interessa.





Mas se ser adulto é desse jeito, eu nunca mais quero crescer. Vou fugir para Terra do Nunca, onde nada me preocupa, já que a vida é uma ilusão. Não preciso de vinte faculdades sobre coisas não interessantes, quero fazer a diferença, viver eternamente como uma criança, carregando a inocência nos meus atos.


Quando eu fujo para a Terra do Nunca, nada me preocupa, o pôr do Sol é perfeito, e é realmente isso que vai me importar numa tarde de desespero. Não vou ver o nascer do dia presa num escritório, e sim curtir a brisa deitada num chão de felicidade. Talvez eu seja inconsequente, mas acima de tudo vou ser mais feliz do quê você que batalha arduamente pela felicidade, mas esquece que um iPhone não vai curar seus desesperos.


Vivendo pelos prazeres, curtindo cada nova brisa, meu coração tenta ficar intacto, sem ser atacado por essa maré de hipocrisia. Não vou tentar driblar meus superiores por um bom emprego, nem ser corrompida por essa sociedade maligna, pois na Terra do Nunca coisas inúteis não me perturbam, e a cada acorde tocado no violão eu vejo minhas preocupações sumindo.






Talvez exista um real medo de encarar o mundo, mas quem não se estremece com os causos da vida? Enquanto isso vou interagindo com os meus pequenos prazeres sozinha, tentando não ser levada por essa massa consumista, que se prende num ciclo de consumo, limitando sua felicidade a pequenos momentos isolados. Quero prazer a todo instante, não vou aceitar esse conceito de viver imposto pela mídia, pois se para você viver é se matar para comprar uma teve nova, para mim a vida é baseada na busca dos prazeres, dando valor para a felicidade imediata, pois não vou viver para sempre e quando morrer a Terra prosseguirá girando.


Provavelmente vai ser complicado abdicar de todas as obrigações impostas pela sociedade, as pessoas iram me olhar como uma louca, mas eu também acho que as pessoas são lunáticas, já que buscam algo tão sublime e simples em coisas sem importância. Meus pais não vão curtir muito quando eu falar que não quero fazer uma faculdade, outros irão encarar meus rastas e achar isso tudo ridículo, mas infelizmente esses já foram corrompidos e não sabem o real significado da vida.


Tudo e fácil, sempre vou ter um tempo para ficar alta e outro para perdoar meus próprios erros, a vida é longa, mas eu ainda tenho a chance de mudar nos meus próprios caminhos. Não tenho nada a perder, vou viver rápido e procurar meu rumo, pois a estrada é longa, e mesmo ficando louca, vou ser mais feliz do que muitos que não tentaram.






Quero perder minha mente aos sons de Bob Marley ou ser a prodígio que lê Nietzsche mesmo sem ter muita idade, pois diferente de muitos estou aceitando a pensar e questionar, sem perder minha alma eu vou buscar a essência da vida. Quero poder sentir o cheiro das notas musicais e tocar nas cores antes de morrer, por isso dou valor a cada sensação lisérgica que é possível de encontrar.


No final posso até mesmo estar errada, mas ao menos fiz diferente e corri atrás dos meus sonhos, enquanto você está ai patrocinando uma burguesia que mata para comprar um tênis novo. Preciso apenas da paz interior, vou dominar o deus que está dentro de mim e conviver com os meus defeitos, aceitando-os sem reprimi-los por causa de nenhuma religião.


Na Terra do Nunca as coisas vão ser de verdade, continuo sonhando, até poder largar todas essas besteiras de mentirinha e poder buscar minha felicidade de verdade. Pode ser andando de skate em alguma pista, ou com minha slack atravessando a avenida, não quero saber de dinheiro e sim de apreciar cada nova sensação. No final da estrada não quero ter a sensação de ter perdido a vida, enquanto era infeliz numa faculdade ou escritório, simplesmente porquê precisava de dinheiro.






Não quero crescer, nem ver que menina fica com mais meninos. Mantenho a inocência de uma pequena criança que não precisa de pensar nas obrigações, faço da minha vida na Terra do Nunca algo mágico e cheio de aventuras, com um novo baseado queimado ou apenas a sensação de ouvir uma boa música. Vivo intensamente e capto cada traço de emoção, pois disso tudo eu realmente posso tirar uma lição.


Gratificada pelos meus conceitos, sem hipocrisia carregada no meu peito, desvendo essa selva na busca pelos verdadeiros direitos e tento ser feliz acima de qualquer produto pela mídia eleito. Estou preparada para encarar essa selva, aceitando todos os conflitos da minha alma, quero apenas paz e sossego e você ai com tanto apego no seu videogame perfeito. Na Terra do Nunca o que importa é a felicidade, sua raça ou opção sexual não mudaram sua realidade, pois eu quero viver inocentemente, sem julgar meus companheiros, esses driblaram comigo as adversidades e toparam encarar um mundo que ainda não foi corrompido por essa estranha sociedade.



0 comentários:

Postar um comentário

Comentem livremente.
Comentar pode até não emagrecer, mas também não engorda!

Compartilhe